domingo, 27 de julho de 2008

Bebê mata cobra coral com mordidas em Minas Gerais

Um bebê de nove meses fez uma proeza depois de ser mordido por uma cobra coral de quase 1 metro de comprimento na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ele foi picado seis vezes, quatro na boca e duas na mão, mas reagiu. Mordeu a cobra na cabeça e matou o animal.
A irmã do menino deu o alerta depois que viu a cobra se enrolar no braço dele. A mãe, Ana Cláudia, conta que quando encontrou o pequeno Ianque, o veneno e o sangue escorriam pelos lábios do bebê. A criança foi levada para o hospital, medicada e passa bem. Depois do susto, Ana até brincou. "A cobra não resistiu a ele, mas ele resistiu a ela", disse. No hospital, Ianque já foi apelidado de "herói da cobra".
A façanha deste mineirinho se compara a mitologia grega, quando Hércules ainda bebê foi atacado por duas cobras em seu berço e matou, sendo um dos primeiros atos de heroísmo.

6 comentários:

Leila Campos Rocha disse...

como se pode ver o diabo não é o dono do mundo. Graças a Jeová Deus, ainda existem "anjos" poderosos para defender a humanidade. Que os anjos continuem sempre atentos a esta criança e a toda a humanidade. O BEM SEMPRE VENCERÁ O MAL. AMÉM!

Salete Lemos disse...

Leila
Obrigada pela visita e comentário.
Salète

Leila Campos Rocha disse...

Fiquei sabendo deste fato através de meus alunos na escola, os quais se sentiram surpresos com a proteção divina que o bebê obteve. Foi muito bom, pois despertou a curiosidade dos que também não sabiam, e por ser uma turma que está com deficiência de leitura comecei a trabalhar a notícia, a reportagem, a entrevista e tudo que se refere ao assunto, usando inclusive as fotos. Está sendo um trabalho muito proveitoso e todos os dias estamos orando pelo bebê, para que ele se recupere logo e seja muito feliz!

Salete Lemos disse...

Leila
Belo trabalho o seu.
Está sabendo juntar os temas pedagógicos e os utilizando de forma proveitosa.
Saber educadar é isso aí.
Parabéns!
Salète

Denise disse...

Leila, realmente, seu trabalho como educadora é ótimo, no entanto, não pude deixar de me sentir estranha com os seus comentários a respeito do ocorrido.

As serpentes, no geral, são associadas ao mal, ao diabo e a referências pejorativas.

Serpentes, como qualquer outro animal, não devem ser associadas a estes símbolos desprezíveis, mas sim, como qualquer outro ser vivo ou criatura, devem ser respeitadas e vistas de forma bonita, pois como percebi, acreditas num bem, acreditas nesse deus dos livros e acreditas na criação: portanto, não é certo maldizer a criação na qual você acredita.

Como bióloga, mas acima de tudo, como ser humano, é meu dever, minha obrigação postar esse comentário para que você possa refletir a respeito do que comentou aqui. Não quero mudar o mundo, não quero mudar ninguém, mas considero que devemos, sim, respeito, consideração, admiração a todos os seres vivos e todos os elementos que compartilham conosco desse planeta maravilhoso.

O que aconteceu foi um acidente, e apenas isso. Não há força do mal nem do bem envolvidos, apenas as forças e leis da natureza.

E a humanidade, lhe digo, não precisa de "anjo" algum: aliás, o que precisamos, como diria Leonardo Boff, é de alguma autolimitação.

Um abraço.

leila disse...

Excelente o comentário da Denise, porém houve má interpretação , pois não quis comparar a cobra ao diabo, e sim o fato de a criança, tão novinha,passar por uma provação como esta. Sou amante da natureza e dos animais,respeito-os ao máximo e procuro passar este sentimento aos meus alunos, porém isto mesmo me faz ser crítica e temer até mesmo o ser humano, que sabemos ser bastante complexo e 'perigoso'. Quanto ao fato de haver o "bem e o mal", acho que temos que acreditar sim, pois é mais fácil para viver. Sou bastante romântica no meu jeito de pensar, talvez seja esta característica que me faça acreditar nos "deuses dos livros", embora eu acredite no Deus que está na Bíblia (JEOVÁ) e lendo-a, acredito realmente nestas forças do bem e do mal subjacentes. Um grande abraço, carinhosamente.